Emoção marca o encerramento da primeira edição do Maxi Múndi

Um grande sucesso em todos os sentidos. Coordenadores, professores e alunos não pouparam elogios à primeira edição do projeto Maxi Múndi, do Colégio Maxi, encerrado no sábado (7 de setembro), com a entrega de menções honrosas. Durante dois dias os estudantes tiveram a oportunidade de se colocar no lugar de representantes dos países membros da ONU, parlamentares do Congresso Nacional, integrantes de comitês de relações internacionais e de imprensa.

O diretor do Colégio Maxi, professor Carlos Leão, conduziu a solenidade de encerramento e fez questão de destacar o alto nível alcançado já na primeira edição do Maxi Múndi. Segundo ele, as discussões feitas nos âmbitos dos comitês tiveram um nível elevadíssimo e foram plenas de argumentos, com oratórias muito bem regidas e respeito aos regimentos de cada casa, mesmo durante debates bastante acalorados, como os vistos nos grupos que representaram a Câmara dos Deputados e o Senado brasileiros.

No caso do Congresso Nacional, o interessante foi o fato de alguns membros terem que defender ideologias e propostas que não eram as deles na realidade. “Eu caí num partido que é totalmente contra os meus ideais, então eu precisei ser um personagem. Tive que estudar bem a pauta, defender PLs que na vida real seria totalmente contra. Então foi uma experiência que eu consegui ver os dois lados da moeda. Foi muito interessante”, comemorou Gabriel Antunes Feijó, do 9º A.

“Às vezes eu acabava tendo que defender ideologias que não condiziam com o que acredito, mas você tinha que entrar no personagem, entrar na pessoa que defendendo e bater de frente. Nessas horas é que você para perceber realmente a importância que tem, o papel que tem, como funciona”, defendeu Glenda de Oliveira Cestari, do 2º D, que fez parte do Comitê do Senado Federal. Para ela, foi um exercício incrível, uma grande oportunidade que o Maxi ofereceu para que pudesse desenvolver o pensamento crítico, desenvoltura, o falar em público.

Nicole Mendes Cescon, do 9º A, afirmou que participar da primeira edição do Maxi Múndi contribuiu para que adquirisse bastante conhecimento em relação a culturas estrangeiras. Como fez o papel de secretária de Comércio Exterior do governo Donald Trump, ela integrou discussões sobre a imigração de povos latinos para os Estados Unidos. “Nós, que éramos do gabinete do Trump, tínhamos que apoiar qualquer decisão dele”, lembrou, frisando que teve que estudar bastante o assunto para fazer suas argumentações.

Juliana Lie Miyakawa Silva, do 3º C, que participou do United Nations Security Council, teve que se especializar nas políticas internas e externas da Indonésia. “Como um país neutro, em geral ela tenta conciliar os lados e principalmente promover ações que garantam a segurança da própria população. Nesse comitê eu defendi muito a questão da integração entre os países para garantir que o povo da Indonésia e o governo tenham muitas ferramentas para combater o terrorismo”, ressaltou a aluna. “Acho que é muito importante ter esse tipo de oportunidade para saber como funciona e ver se queremos trabalhar com isso no futuro”, acrescentou.

Maria Clara Rosa Costa, do 2º E, que recebeu a menção honrosa como “Melhor Espírito de Equipe”, é uma prova disso. Segundo ela, a participação na simulação a fez perceber que a carreira de diplomata pode ser uma alternativa de futuro. “Ver a minha desenvoltura, como consegui participar e me comportei em relação a tudo isso, fez com que me sentisse muito bem e passou pela minha cabeça que talvez isso seja o que eu queira fazer para minha vida. Está sendo uma experiência muito feliz, muito boa para mim”, comemorou.

Na avaliação da coordenação do Maxi Múndi, o desempenho dos alunos foi surpreendente, alcançando o mesmo nível de instituições que já fazem simulações há muitos anos. Eles conseguiram superar os desafios com dedicação e se mostraram abertos para aprender. O projeto começou grande e a tendência é crescer ainda mais para os próximos anos. Os comitês foram coordenados pelos professores: Ana Paula Moreira dos Santos; Carla Locatelli Martini; Kenderson Araujo Barbosa; Nívea Massaretto Verges; Ricardo Matias Martins; Roger Henrique Bartlo.

Menções Honrosas

Comitê Câmara dos Deputados – Estatuto do Desarmamento

Melhor Orador: Arthur Verde de Oliveira

Melhor Espírito de Equipe: Júlia Carvalho Martinho

Melhor Documento: Letícia Dessunte Alencastro

Comitê Senador Federal – A Escola Sem Partido

Melhor Orador: Caio Gomes Neiva

Melhor Espírito de Equipe: Matheus Silva Martos

Melhor Documento: João Victor de Almeida Soares

Comitê Gabinete Presidente Trump – Comitê de Crise

Melhor Orador: Luigi Lorenzo de Souza Fortunato

Mediador de Crise: Gustavo Silva Prado

Melhor Diplomacia: Lorena Galvão Rêgo e Moreno Machado Barbosa

Melhor Documento: Camilly Vitoria Taques Vaz e Renato Gabriel Custodio Pinto

Melhor Espírito de Equipe: Maria Clara Rosa Costa

Comitê United Nations Security Council

Melhor Orador: Pedro Kreutz Werle

Best Position Paper: Ana Júlia Regis

Melhor Espírito de Equipe: Lara Cardoso Moraes

Comitê de Imprensa

Melhor Competência Interpessoal: Bruno Colvara Beloli

Melhor Espírito de Liderança: Luisa Kuymjian Belentani

 

Fotos: Júnior Silgueiro